segunda-feira, 17 de agosto de 2015

~ O menino olhou para o balão cheio de tão mais que ar, desejando uma última vez que fosse para ele. Riu-se do seu querer e picou o coração para o expurgar da vontade. ~

A esperança não quer ficar, quer partir, quer morrer; decido largar a corda que a segura. Talvez assim durma eu mais solto.

Sem comentários:

Enviar um comentário